ABHA | Associação Brasileira de Halitose

Abrir Menu Mobile

Fique por dentro

Fique por Dentro

Doenças Bucais: A influência no organismo e vice-versa

Publicado em : 28/03/2017

Autor : Jaqueline Hlawensky

Fonte : Ludovica - Blog Da Boca pra Fora - http://ludovica.opopular.com.br/blogs/blog-da-boca-pra-fora/blog-da-boca-pra-fora-1.859656/doenças-bucais-a-influência-no-organismo-e-vice-versa-1.1248479


Você já pensou sobre como a saúde da boca é importante para que o resto do nosso corpo também se mantenha saudável? O nosso hálito, além de vários outros elementos em nossa boca, pode sugerir diversas doenças no nosso organismo. A realidade é que equipes hospitalares necessitam com urgência do cirurgião-dentista pós-graduado em odontologia hospitalar. O tratamento das pessoas acamadas é mais favorável quando acompanhado pela equipe multidisciplinar. 

Para mostrar o quanto é necessário ficar atento à influência das doenças bucais no nosso organismo e vice-versa, convidei a cirurgiã-dentista Jaqueline Hlawensky para falar sobre o assunto.

Confira:

“Sabe aquela velha história que saúde começa pela boca? Apesar de soar como um clichê, ela é verdadeira. Não há dúvidas de que todos nós vamos ouvir essa frase em alguma fase da nossa vida. Mas que relação tem a boca com outros órgãos do nosso organismo? Pesquisas recentes constataram que 88% dos brasileiros têm cárie, 90% sofrem de inflamação na gengiva e desses, 30% tem periodontite, que se caracteriza por perda óssea irreversível e pode levar a perda do dente.

Sendo assim, sabe-se que a boca é a porta de entrada de muitas doenças. Quando a saúde oral não está equilibrada, as bactérias e fungos (que são comuns) podem proliferar e atingir outros órgãos distantes da boca. É importante salientar que a integridade da saúde oral previne a manifestação e agravamento de algumas condições sistêmicas. Desse modo, atualmente não focamos a prevenção apenas na aplicação de flúor, selante e orientação de escovação. A integridade de toda a boca pode favorecer a realização de diagnóstico precoce e de doenças de todo o organismo, além de diminuir o avanço de muitas patologias.

As doenças cardiovasculares, diabetes, alterações gástricas, partos prematuros e o câncer, por exemplo, podem sofrer um agravamento se o paciente não tiver saúde bucal equilibrada. Além disso, pesquisas indicam que a periodontite pode estar associada ao desenvolvimento de doenças cardiovasculares. Dessa maneira, quem é suscetível a distúrbios cardíacos tem 25% mais probabilidade de desenvolver endocardite bacteriana, uma inflamação grave da película que envolve o coração, podendo levar ao óbito. Uma explicação para essa associação é que as proteínas inflamatórias e as bactérias presentes no tecido periodontal penetram na corrente sanguínea, causando diversos efeitos no sistema cardiovascular.

Nos diabéticos, a doença da gengiva (periodontite) aumenta a resistência à insulina, uma condição do hormônio responsável por tirar a glicose da corrente sanguínea e jogar dentro das células. Infelizmente, grande parte dos diabéticos desconhece essa condição. Portanto, a consulta com cirurgião-dentista é primordial. Os pacientes com câncer e que tem problemas gengivais e/ou cárie têm que ser tratados previamente ao tratamento do câncer (cirúrgico, radioterápico), pois pode ocorrer manifestações bucais decorrentes desses tratamentos ou agravar os já existentes, podendo ser tão grave que, muitas vezes, leva à interrupção temporária do tratamento oncológico.

Nos pacientes que têm gastrites e úlceras pelo H. Pylori (uma bactéria reconhecida por causar gastrite), sabe-se que o contágio desse micro-organismo se dá principalmente através de alimentos contaminados. Porém, há vários estudos evidenciando que a boca atua como um reservatório dessa bactéria, favorecendo uma contaminação constante. Ou seja: essas bactérias podem estar presentes na placa bacteriana da doença periodontal.

Nas mulheres grávidas, a infecções na gengiva podem causar abortos, partos prematuros e nascimento de bebês de baixo peso. Além disso, a infecção da gengiva também pode prejudicar o bom desenvolvimento de uma gravidez saudável.

Enfim, devemos estar sempre alerta com nossa saúde bucal. Uma escovação correta e uso de fio dental, além de consultas periódicas ao dentista previnem não só doenças da boca, mas também sistêmicas. Sendo assim, um sorriso bonito é aquele com saúde, pois essa começa na boca.”

* Jaqueline Hlawensky é cirurgiã-dentista, periodontista, membro da Associação Brasileira de Halitose e pós-graduanda em Odontologia Hospitalar pelo Albert Einstein.


Cursos e Eventos

Cursos e Eventos

 23/05/2017

Está chegando a hora do nosso 4º Encontro Brasileiro de Halitose que vai acontecer durante o CIORJ, no dia 20 de junho no Rio Centro. Este ano o tema será ‘Halitose: Como tratar?’ e preparamos uma série de palestras sobre este assunto. [...]


Porque amamos tratar halitose?

Porque amamos tratar halitose?

 23/05/2017

     Veja o depoimento real de um paciente que enfrentou o problema.      “Sou casado há 42 anos e tenho 3 filhos adultos e universitários. Sempre fui muito vaidoso, mas, ultimamente estava com a autoestima baixíssima por causa do [...]


ABHA Histórias

ABHA Histórias

 23/05/2017

     Depois de 18 anos, hoje temos mais de 100 associados e muita história para contar. Esta seção vai ser dedicada a isso. Compartilhar histórias de profissionais que se dedicam ao tratamento da halitose porque acreditam que isso transforma [...]












Mau hálito na academia é mais comum do que você pensa.

Mau hálito na academia é mais comum do que você pensa.

 16/11/2016

 Saúde Terra

Quando imaginamos o ambiente de uma academia logo pensamos em pessoas bonitas e saradas. Mas existe um fator muito desagradável que também é bastante comum nesse contexto e que só sabe quem faz parte desse mundo fitness: o mau hálito. Dietas ricas em [...]



voltar à página anterior
© 2016 — Todos os Direitos Reservados GO!Sites